Continuação de porque sofremos ou temos dificuldades em nossa jornada espiritual.


Encontramos em muitas casas espíritas, terreiros ou igrejas, pessoas que simplesmente perderam o rumo durante a atual jornada encarnatória, algumas pessoas tornam-se opacas sem vida e sem perspectiva de progresso, seja espiritual ou moral.
Nossa consciência espiritual é dividida em três partes importantes, os que fomos, o que somos e o que queremos ser, infelizmente muitas vezes nos deparamos com situações repetitivas em nossa jornada, pois temos que vencer os nossos desafios aqueles impostos por nós mesmos junto com o nosso tutor lembra-se? A etapa precisa ser finalizada para passarmos adiante e desta forma galgar e finalizar outras missões.
Nesta etapa em muitos casos entram em nosso socorro as religiões, os nossos tutores nos conduz de acordo com o nosso amadurecimento para alguma forma de religar o nosso “Eu” com “Ele”, ao nos certificarmos que nosso espírito se adaptou ao meio começamos uma nova etapa de crescimento.
No meu caso a Umbanda veio preencher um espaço ao qual meu espírito necessitava, para que realmente eu assumisse as minhas deficiências e ao longo de minha jornada elas sejam diminuídas e assim é com todos nós sem exceções.
Este é um ponto do porque termos tantos médiuns que chegam e saem das diversas casas espirituais, sejam de umbanda, espiritismos ou mesmo outras formas de religar a Deus, somos em nossa essência fracos e ao menor fato em contrario desistimos de nossos projetos adiando-os com as mais variadas desculpas.
Entra nesses casos a segunda opção espiritual a “dor”, ela é contundente ou vai, ou vai, não tem meio termo, nesta fase uma parte de nossa missão já se encontra comprometida, temos que correr para buscar o tempo perdido, as coisas tende a acontecer muito rápido em nossa vida, revelações, ensinamentos, aprendizados, o nosso espírito grita por melhorar, podemos dizer que ele em conjunto com a espiritualidade toma as rédeas de nossa jornada e vão aos pouco nos conduzindo para que não soframos mais.
Por fim a realização que é o projeto final da nossa encarnação é o sentimento do dever cumprindo, de ter participado da própria evolução de mais pessoas que foram cruzando com os nossos caminhos ao longo de nossa jornada, este sentimento é reservado àqueles que se despojaram do ego, orgulho, vaidade, que compreenderam realmente a expressão de que “é preciso nascer de novo para merecer os reinos dos céus”, frase usada por Jesus quando se encontrou com Nicodemos, quando o espírito compreende a sua plenitude ele esta pronto para alçar novos voos.
Todos nós que estamos hoje em dia na terra procuramos esta estabilidade, poucos estão hoje em dia acima da média, não vejo muita diferença entre o papa e qualquer um de nós, todos sem exceção buscamos a estabilidade espiritual.
Então não tenhamos medo de trabalhar por nós em primeiro lugar e depois pelo nosso irmão, de alguma forma todos somos ligados por cordões finíssimos os quais interligam ao divino.
Faça a sua parte, prepare a terra, semeie com amor, plante com sabedoria e desta forma terá o alimento na medida certa e com o sabor de vitoria.
A maior verdade que podemos ter é “não importa o que fomos”, “nem o que seremos” o mais importante é o que somos hoje em dia, isto é termômetro de tudo o nosso momento é hoje, façamos as coisas certas.
Roberley Meirelles.